Notícia

PIB de Parintins-AM: 70 anos tornando Cristo conhecido

“Tornar Cristo conhecido em Parintins e Parintins conhecida pela pregação do evangelho”. Esta é a visão que guia a Primeira Igreja Batista em Parintins, no interior do Amazonas. Em 2021, a Igreja completa 70 anos de história proclamando o evangelho de Cristo.

 

O surgimento da igreja remonta a 1951, quando o seminarista Eduardo França Lessa, em visita ao Amazonas, participa da fundação da Primeira Igreja Batista em Parintins-AM e sente um chamado da parte de Deus para servir na região. Dois anos mais tarde, em 1953, ele assume o pastorado da Igreja, após encerrar os estudos nos Estados Unidos. Além da formação em psicologia, sociologia e teologia, ele possuía certificação em cursos de saúde básica, o que lhe abriu portas na comunidade parintinense.

 

O crescimento do trabalho Batista na região despertou oposição de católicos. A perseguição foi uma das mais severas contra evangélicos no norte do país. Apesar da oposição, o pastor permaneceu servindo em Parintins por anos até julho de 1993, quando faleceu por problemas de saúde. O legado de 42 anos é um trabalho integral e frutífero. O pastor Lessa deixou a esposa, Eglantina, uma filha, Ethel, e dois filhos, Eduardo Júnior e Elmer.

 

Em 1998, Elmer Lessa assume o pastorado e dá continuidade ao trabalho iniciado pelo pai. O novo ciclo ministerial é marcado por projetos de impacto em Parintins, como a campanha evangelística Jesus Água da Vida, Jogos de Verão, musicais de Natal e Páscoa, incluindo o tradicional musical para crianças no mês de outubro.

 

Nos últimos vinte anos, o trabalho da PIB de Parintins se intensificou nas comunidades rurais próximas, em parceria com organizações como Amazon Vida, Asas de Socorro, Tearfund Brasil, Terra dos Homens, Sociedade Bíblica do Brasil, entre outras, promovendo atendimento médico-odontológico, assistência social, desenvolvimento comunitário, evangelização, plantação de Igrejas e muitas outras ações.

 

Em 2020, diante da pandemia do novo coronavírus, a resposta da PIB de Parintins foi de amor e serviço. A Igreja suspendeu as atividades presenciais e se empenhou em diversas iniciativas para ajudar a comunidade parintinense. Como afirma pastor Elmer Lessa, “a Igreja não parou, apenas as portas do prédio foram fechadas. A Igreja continua viva e ativa para servir a comunidade.”

 

A Igreja fez doações de itens como água sanitária e água mineral para setores do município, sabonetes, que foram entregues a moradores de baixa renda, e distribuição de cestas básicas e medicações para famílias necessitadas, incluindo indígenas Sateré-Mawé e Hixkaryana. Com parceiros locais, a Igreja financiou a confecção de diversos materiais de proteção individual, que foram doados aos hospitais da cidade, unidades de saúde e outros departamentos do município.

 

No início de 2021, durante a segunda onda da pandemia, a PIB articulou parcerias com Igrejas e organizações para fazer chegar ao município cilindros e recargas de oxigênio, materiais de proteção e limpeza e outros insumos. Itens que beneficiaram Parintins e municípios vizinhos, como Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Nhamundá, além de Faro e Juruti, no Pará. As ações se deram em parceria com Visão Mundial, MEAP, Missão Bem Pescado, Missão do Céu e Asas de Socorro.

 

Mencionar essas ações, quando celebramos 70 anos da Primeira Igreja Batista de Parintins, é olhar para uma história e uma causa maior, que se verbaliza em mensagem e se concretiza em serviço, transformando vidas, famílias e comunidades – os maiores frutos do ministério. Com as portas fechadas, mas viva, a PIB segue buscando cumprir sua missão: demonstrar o amor de Jesus e torná-lo conhecido, na cidade e além da cidade. Há 70 anos.

 

Phelipe Reis jornalista, membro da Primeira Igreja Batista de Parintins


 
 

Fotos