Notícia

“Comecei a trocar a fé pelo medo!”

Neemias Lima, pastor da Igreja Batista no Braga, em Cabo Frio - RJ

 

Irene Garcia da Silva é esposa de pastor. Com Hudson Galdino da Silva, formam uma linda família com três filhos: Alessandra, especialista em enfermagem, Vânderson, psicólogo, e Vinícius, Ministro de Música, todos casados. O casal tem a neta Samyra. A filha Alessandra e a nora Karina atuam na frente de batalha do coronavírus em hospitais de Cabo Frio-RJ.

 

O casal atua por 33 anos na Segunda Igreja Batista em Cabo Frio-RJ e Irene Garcia tem participação destacada no ministério pastoral e sua integração aos projetos da Igreja é algo marcante. É professora, musicista e comprometida evangelista.

 

Em tempos de pandemia, é muito comum pensar nas lutas do pastor. Mas, e a esposa? Como elas experimentam esse tempo? Que pensam elas sobre esse momento dramático.

 

É o que Irene Garcia revela nesta entrevista.

 

Como é para uma esposa de pastor enfrentar essa pandemia?

 

É sentir o quanto pessoas precisam de pessoas. O quanto é bom e indispensável estarmos juntos. Mas é também provar da fidelidade, cuidado e misericórdia do Senhor. Sua presença é real em todos os momentos.

 

Que lições você tira desse momento que surpreendeu todo mundo?

 

  • Só Deus conhece o próximo instante.

  • O homem pode fazer planos, mas a resposta vem do Senhor. A Bíblia nos ensina a dizer: se Deus permitir.

  • Somos seres frágeis e totalmente dependentes do altíssimo, único e soberano Deus.

  • Deus cuida e provê todas as coisas para nós, não obstante ao momento.

  • Deus nos surpreende, dando-nos novos sonhos e oportunidade de vivê-los neste momento, para a sua glória, porque a sua obra continua até que ele venha.

 

 

Em algum momento, você teve medo desse momento?

 

Sim. Durante esta semana, comecei a trocar a fé pelo medo. O que foi muito ruim pra mim. Medo de faltar alguém no culto do abraço da Segunda Igreja Batista de Cabo Frio-RJ. Mas já coloquei pra Deus e estou descansando agora nele.

 

Que pode fazer uma esposa de pastor para ajudar o esposo pastor nesse tempo?

 

Orar por ele - e o faço com amor e dedicação. Orar sem cessar pelo esposo pastor, colocando-o diante do Senhor tudo o que envolve à sua vida. Apoiar, ajudar, incentivá-lo nos seus sonhos para a amada Igreja. Elogiá-lo - e o faço com sinceridade e alegria. Estar não apenas perto, mas junto a ele.

 

Para você, como será o Pós-Pandemia?

 

Se Deus permitir, teremos cultos públicos bem alegres, cheios de corações agradecidos porque a Igreja é o melhor lugar que temos para ir. Com certeza, vamos estar mais tementes ao soberano Deus, que nos criou e nos comprou com o precioso sangue do Seu amado Filho, Jesus Cristo. Creio que vamos aproveitar bem mais as oportunidades que Deus nos concede de vivermos e mostrarmos o seu incomparável e perfeito amor. Penso que vamos colocar em prática o não desperdício de alimentos. Penso que vamos valorizar mais os profissionais das diversas áreas. Penso que vamos valorizar mais pessoas do que coisas. Este é o desejo de Deus.

 

Mensagem final.

Tenho pensado desde o início da pandemia o seguinte: se a Bíblia tivesse apresentado este vírus com o último sinal da volta de Jesus, eu, nós, seus filhos, teríamos a plena certeza de que voltaríamos a nos encontrar, a nos ver, a estar cantando louvores para sempre alegremente no céu.

 

E os que não receberam a Jesus como o único e suficiente salvador, em que “certeza” se alegrariam? Amigo, se Jesus voltasse agora, para onde você iria? A Bíblia só fala de dois caminhos. Pense nisso.