Artigo

Músico para a Glória de Deus

Deus, o Criador, implantou no coração do homem, coroa da sua criação, o prazer com a música. Esta bela manifestação artística já aparece no Gênesis, o livro dos começos, quando Jubal é apresentado como o pai dos músicos. Jubal, que em hebraico significa “trombeta”, era bisneto de Caim, neto de Enoque e filho de Lameque. Ele não dedicou- -se à criação de animais, à metalurgia, à construção de casas ou outro ofício ligado à terra, como era comum em seus dias. “Este foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta.” (Gn 4.21).


No Antigo Testamento, a música é apresentada como meio para glorificação do nome do Senhor, especialmente no culto coletivo de Israel, por meio de vidas consagradas ao serviço de Cristo. Os salmos retratam com profundidade o lugar especial da música no louvor a Deus: “Louvai ao Senhor. Cantai ao Senhor um cântico novo, e o seu louvor na congregação dos santos” (Sl 149.1). Todos os crentes são convidados a reconhecerem a Glória de Deus, louvando-O com cânticos: “Alegrai-vos no Senhor, e regozijai-vos, vós os justos; e cantai alegremente, todos vós que sois retos de coração” (Sl 32.11).


No Novo Testamento, a música permanece presente na revelação do Senhor ao Seu povo, sendo a Igreja de Cristo chamada a glorificar a Deus por meio da música: “Enchei-vos do Espírito; falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Ef 5.18- 19). Convite semelhante é feito em Colossenses 3.16, que ensina: “A Palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao Senhor com graça em vosso coração.”


Fazer tudo para a Glória de Deus (I Coríntios 10.31) é uma ordenança bíblica que se aplica também a todos que foram chamados para servir a Deus com a música. Para estes músicos, a música é mais que mera arte, até porque a arte que nos encanta, se estiver a serviço do pecado, não encanta a Deus. A música que encanta Deus é aquela que glorifica a Deus.


Para o músico que, salvo por Cristo da perdição eterna, agora vive para a Glória de Deus, a música é mais que simples opção pessoal. É habilidade soberanamente outorgada por Deus, que produz genuíno amor pela música. Para o músico cristão, tocar ou cantar é mais do que demonstração de apreço pela música, é aceitação de um chamado para que um dom seja colocado à disposição do Reino de Deus.


A música é, para os cristãos, um ministério que glorifica a Deus, promove edificação, evangelização e adoração, cooperando para que a missão da Igreja seja cumprida com fidelidade Àquele que a comissionou. Este valioso ministério deve ser reconhecido entre nós. Portanto, oremos ao Senhor em favor dos nossos músicos e apoiemos aqueles que enxergam a música como um ministério da Igreja de Cristo. Valorizemos os nossos músicos, nossa música cristã e nossos Ministros de Música.


Tarcísio Farias Guimarães, pastor, colaborador de OJB