Artigo

Deus usa pessoas fracas

Quantas vezes vemos as pessoas esquivarem-se de responsabilidades em relação ao seu papel a desempenhar no Reino de Deus. Algumas delas argumentam que são muito fracas, falhas ou incapazes de fazer qualquer coisa em nome de Deus. Olham para aqueles que se destacam e que estão sempre trabalhando, como pessoas superdotadas de talentos espirituais ou com um grau de fé muito elevado.


A primeira coisa que precisamos avaliar é que tipos de fraquezas estas pessoas possuem? O que significa esse adjetivo quando se trata de parâmetros espirituais?


De acordo com os critérios de Deus, o que parece ser fraqueza aos olhos dos homens pode ser exatamente o contrário, uma força descomunal. Citando como exemplo, quatro homens debilitados pela lepra que resolveram investir contra o acampamento de um grande exército sírio e obtiveram como resultado a fuga em massa daqueles guerreiros que ouviram o som como se fosse de um numeroso e gigantesco exército (II Reis 7).


O apóstolo Paulo afirma que Deus, ao escolher pessoas para realizar a Sua obra, não costuma usar como regra observar primeiramente os de “QI” acima da média, os possuidores de força física, os que demonstram ter uma grande fé ou aqueles portadores de habilidades das mais variadas possíveis. Deus usa as coisas consideradas fracas neste mundo para confundir as fortes e as coisas loucas para confundir as sábias. Ele faz isso para que ninguém se vanglorie (I Coríntios 1.26-29).


Ser fraco não significa ser incapaz  de cumprir um chamado ou desempenhar uma atividade que traga edificação para outras vidas e, como consequência disso, a glorificação do nome de Deus. Ser frágil significa que estamos sujeitos, a todo o instante, a cometermos erros, a pecar, até a cair. Contudo, isso não significa que seremos escravos do pecado ou da nossa debilidade.


A grande prova dessas verdades foram as pessoas que Deus usou no passado para realizar milagres e proezas em Seu nome, e, olha que eram pessoas consideradas desprezíveis aos olhos do mundo. Poderia enumerar aqui dezenas delas. O segredo da vitória destes frágeis homens foi obedecer à chamada e estar na total dependência de um Deus que tudo pode.


Portanto, sentir-se fraco e incapaz não é motivo suficiente para nos esquivarmos da grande responsabilidade que temos de ser sal desta terra e luz deste mundo e de proclamarmos as Boas Novas do Evangelho de Cristo Jesus a este mundo em trevas. Façamos então o que já ordenou o Senhor no passado através do profeta Joel: “Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte.” (Jl 3.10).