Artigo

Sem chance

Um médico realizou trabalho voluntário em favor dos condenados na prisão, e havia um dentre eles que para tudo respondia: “sem chance”. Seu apelido, na prisão era “sem chance”.

Nós, muitas vezes, olhamos as pessoas e julgamos que não terão chance. Vamos a um exemplo. Quando menino, morei nos arrabaldes de uma pequena cidade, onde havia um subdelegado, cuja esposa vivia em brigas com o esposo, por causa de uma linda jovem. Como ele era subdelegado, podia manter um trabalho fora da função de subdelegado, então montou uma joalheria na cidade e empregou a linda jovem. Não havia dia que a esposa não despejasse sua ira contra o marido e a jovem.

O tempo passou, estudei, tornei-me pastor, e, certo dia, recebi o pedido de uma visita hospitalar. Quem era? Era o subdelegado, com uma grave enfermidade, tendo tratamento no principal hospital da capital do estado.

Foi sincero, dizendo-me que lhe restava poucos dias. Queria que eu lhe tirasse algumas dúvidas. Nossa conversa demorou três horas. Sua esposa manteve-se quieta, pois já havia se convertido a Cristo. Ele contou-me do arrependimento de ter tomado várias atitudes errôneas, com várias pessoas, em virtude de sua posição na cidade. Agora, queria saber, se, tendo sido tão mau (contou-me várias experiências de como conseguiu o que desejava), receberia o perdão de Deus.

Tenho orado por muitas pessoas, pedindo a Deus pela salvação delas, e essa experiência me manteve a esperança de encontrá-las no céu, pois, quando disse ao subdelegado, que o malfeitor, que se arrependera, pouco antes de morrer, demonstrando fé em Cristo, ele creu também no perdão e salvação em Cristo, mudando até de humor, nos poucos dias que lhe restou, enche-me de esperança, de quando chegar no céu, terei muitas surpresas.

Essa experiência repetiu-se em outras ocasiões e, hoje, creio que não devemos ser os justos que Cristo fala, em Lucas 15. Devemos sair do nosso conforto, para não sermos os justos, que ficaram em falsa segurança no deserto. Cada salvo é o pastor que busca a ovelha perdida até encontrá-la, e depois festeja seu retorno.