Artigo

Desafio e oportunidade: tempo de ser generoso

Com a pandemia surgiu oportunidades e desafios, e no caso da Igreja, essas duas expressões, oportunidades e desafio, deram as mãos e estão andando juntas, lado a lado, até o momento. É claro que todo desafio é algo grande, que exige muito esforço. Em nosso caso, como Igreja local, temos diante de nós a oportunidade de responder positivamente ao desafio que está diante de nós. Nós, então, entendemos o desafio de socorrer algumas famílias que estão sofrendo economicamente nesse momento de crise de saúde pública.

Nossa Igreja, a Igreja Batista Nova Canaã, em Sorocaba-SP, se mobilizou para cuidar de algumas famílias de imigrantes e de famílias da região da enorme Zona Norte, e pela graça de Deus e aos membros da Igreja estamos atendendo muitas famílias, muito mais do que imaginamos quando começamos a campanha. A quantidade de donativos tem sido generosa. De pouco a pouco vamos formando cestas e outras já chegam prontas, e assim meu carro fica no “estilo rebaixado”. O ponto de entrega dos alimentos foi por mim divulgado que seria na casa pastoral, dessa forma, a minha garagem recebe as doações a todo momento, e assim minha casa está movimentada, mesmo com a restrição e distanciamento social. Evidentemente tomamos as precauções e seguimos os protocolos recomendados como álcool gel nas mãos, máscaras no rosto e ausência de cumprimentos físicos.

O fato é que meus vizinhos veem e acompanham essa “movimentação” de carros que trazem os donativos e as minhas saídas - duas por semana - para a entrega. Um dos meus vizinhos me perguntou se eu precisava de algo, e assim abriu a oportunidade para uma longa conversa sobre as necessidades das pessoas carentes de nossa cidade. Depois, ele elogiou a ação e disse que valorizava essa nobre ação. Depois de algumas horas, ele tocou a campainha e pediu os dados bancários da Igreja para assim poder participar, mesmo não sendo membro e nem saber onde fica. O fato é que ele viu, através das cestas básicas e dos produtos na garagem, o amor da Igreja local em se dispor em ajudar famílias necessitadas, e assim oro para que ele veja o amor de Deus através dessa ação de compaixão e graça. Para os vizinhos

Enquanto alguns pensam que é apenas cestas básicas, eu vejo amor em forma de cestas básicas. A generosidade expressa na doação de acordo com a necessidade das pessoas. A outra vizinha também comentou que nossa área estava cheia de alimentos e que precisaríamos de um caminhão para levar tudo, ou seja, ela observou a quantidade; eu logo falei da generosidade do nosso povo, e ela quis saber dessa ação da Igreja. Eu disse que a generosidade e solidariedade faz parte da proposta cristã e de como essas ações focam o próximo, como alvo do amor (nesse caso da doação).

Glorifico a Deus, que apesar do tamanho da nossa Igreja temos sido ousados na distribuição de alimentos. Os números de cestas, quantidades de produtos e a dezena de quilos de alimentos distribuídos e arrecadados é fantástico para a nossa realidade local. Mas, esse movimento tem mexido comigo pessoalmente, com minha família e com a Igreja em que sirvo. Meu filho fica surpreso com a quantidade de alimentos que chega e já até perguntou se nós iriamos comer tudo aquilo (risos, só o Tim mesmo), a Nathalia me ajuda a montar os kits e roteiro de entrega. Eu tenho sido tocado com os relatos das pessoas que doam e das que recebem, cada testemunho cortante. A Igreja que estou servindo se envolveu de uma maneira surpreendente e tem prazer em doar.

Lembro-me da expressão de Jesus desafiando Seus discípulos a “brilharem também a vossa luz diante dos homens” com um propósito bem definido “para que vejam as vossas e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt 5.16). Lembro-me também da expressão de Paulo que “somos feitura de Deus, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”. Deus nos criou para revelarmos a glória dEle através das boas obras e já trilhou nosso caminho de serviço ao mundo. Vale lembrar que esse texto está sequência da frase contundente que nos ensina que “pela graça sois salvos, mediante a fé”, ou seja, os salvos realizam boas obras e não realizam boas obras para alcançar a salvação.

Oro para que os membros da Igreja que sirvo aproveitem as oportunidades desse tempo para manifestar a generosidade com os “domésticos da fé” e com o próximo, e que as doações leve as pessoas que recebem e as que veem a atuação da Igreja glorificarem ao Pai, que é dono da Igreja, da História, do mundo, da minha vida. Ao pai Soberano seja a glória. Que Ele nos use como um farol a iluminar as pessoas que estão precisam da iluminação de Jesus.

A pandemia trouxe a oportunidade de exercitarmos nossa generosidade cristã. Que o desafio seja transformado em oportunidade. Que olhos das pessoas vejam as ações de cuidado da igreja e vejam a Glória de Deus. Que nossa Igreja seja um farol nesse tempo de escuridão. Vamos brilhar!